Com falhas recorrentes em suas partidas, os cartolas discutiram na última quinta-feira, durante congresso técnico na CBF, no Rio de Janeiro, medidas a serem tomadas em relação à arbitragem. Entre as sugestões para o Brasileiro, chegou-se a cogitar até mesmo punir os juízes 'no bolso'. Os representantes da categoria que marcaram presença na reunião descartaram a medida.

Existe a possibilidade de utilização de vídeo a partir de agosto.

Além disso, foi pedida a criação de uma auditoria externa a pedido dos representantes dos times da Série A. A princípio, não existe chance de interferência nos trabalhos internos, no entanto.

Essa alternativa havia sido cogitada anteriormente na Comissão Nacional de Clubes, no ano passado. O presidente do Atlético-MG, Daniel Nepomuceno, que conduzia os encontros, propôs, inclusive, um modelo de arbitragem independente à CBF a partir de estudo e não teve qualquer retorno na ocasião.

"Quando foi discutida arbitragem, falaram de qualificação e tudo, deixei claro o seguinte: só vai melhorar arbitragem no Brasil quando pesar no bolso do juiz. A partir do momento que o erro for colocado, tinha que ter uma multa para o juiz. Da mesma forma que ele quer um salário a mais, uma multa. A punição não é só ficar partidas sem atuar, tem que ser no bolso. O prejuízo que ele dá para o time é muito grande", afirma o presidente do América-MG, Alencar da Silveira Júnior, ao ESPN.com.br.

622 86e5c6ea 1158 310b b3f5 1a464df5be17
Quatro tipos de lances serão passíveis de apoio tecnológico no futebol; Sálvio analisa

"Por exemplo, perdemos três pontos agora porque o Atlético conseguiu empatar com um pênalti que nem existiu. O juiz estava do lado e nem pensou duas vezes. Deu pênalti direto. E amanhã, se deixarmos de ir para uma semifinal (de Campeonato Mineiro) por causa de um pênalti desses? Qual vai ser o prejuízo do clube? Então, da mesma forma que querem vantagens, a arbitragem do Brasil tem que ser penalizada em relação a isso. E só vai melhorar, palavra minha, quando começar a doer no bolso", prosseguiu.

A CBF discute nesta semana o perfil do árbitro que será responsável por analisar os lances em vídeo e fazer a comunicação.

"Eu fiz as colocações nesse dia, mas o pessoal da arbitragem que estava falou que tem que ter qualificação", concluiu Alencar.