Estudo mostra a importância de fazer o primeiro gol no jogo e do fator torcida no Brasileirão

O primeiro gol do jogo importa. Sete em cada 10 partidas com gol no Campeonato Brasileiro terminaram com vitória para o time que saiu na frente no placar. O estudo exclusivo feito pelo economista Bruno Imaizumi para o Espião Estatístico* revela ainda que essa diferença varia quando a equipe atua como mandante ou visitante e também quando há presença ou não da torcida.

A partir de dados de 3.549 jogos de Brasileirão desde a edição de 2013 até a 13ª rodada de 2022, o estudo inédito revela que as equipes que marcam o primeiro gol durante uma partida vencem em 70,0% das vezes . Dos 3.198 jogos com pelo menos um gol marcado, em 2.238 a equipe que fez o primeiro gol venceu , em 637 vezes acabou sofrendo o empate (19,9%) e em 323 vezes acabou levando a virada (10,1%) .

 — Foto: Infoesporte
1 de 7 — Foto: Infoesporte

— Foto: Infoesporte

As equipes mandantes marcaram o gol pela primeira vez em 1.955 oportunidades e saíram com a vitória em 1.517 vezes (77,6%) . Já as equipes visitantes marcaram primeiro em 1.243 ocasiões e saíram com a vitória em 721 vezes (58,0%) . Ou seja, em casa, a probabilidade de vitória aumenta ainda mais quando o time sai na frente do placar.

Os visitantes tomaram mais vezes o empate quando marcaram primeiro (25,7% das vezes) que os mandantes (16,2% das vezes) e sofreram mais viradas (16,3% das vezes contra 6,2% dos mandantes). Esses primeiros resultados vão ao encontro de outros artigos semelhantes na literatura econômica do futebol, como Gárcia-Rubio et. al (2017) para a liga espanhola e Liu et. al (2021) para a liga chinesa.

Times mandantes venceram quase 80% dos jogos quando marcaram o primeiro gol no Brasileiro nos últimos 10 anos
2 de 7 Times mandantes venceram quase 80% dos jogos quando marcaram o primeiro gol no Brasileiro nos últimos 10 anos

Times mandantes venceram quase 80% dos jogos quando marcaram o primeiro gol no Brasileiro nos últimos 10 anos

A diferença de quase 20 pontos percentuais entre as porcentagens de vitórias de mandantes (77,6%) e visitantes (58,0%) é mais um indício do chamado fator casa no futebol, um fenômeno que faz com que equipes conquistem melhores resultados quando jogam como mandantes por diversos motivos. Um desses motivos é a pressão que as torcidas exercem sobre os agentes do jogo (jogadores e juízes).

Por conta da pandemia, o número de jogos com portões fechados cresceu significativamente - antes, apenas alguns jogos ocorreram com portões fechados por questões de segurança ou punições para torcidas - e assim foi possível comparar resultados com e sem a presença de público nos estádios.

Com portões abertos (presença da torcida) , os mandantes vencem em 79,1% das vezes após marcar primeiro. Já os visitantes vencem em apenas 57,4% , diferença de 21,7 pontos percentuais.

Com portões fechados, o panorama muda. A porcentagem de vitória dos mandantes após balançar as redes cai de 79,1% para 70,4%. Sem a presença do torcedor, os visitantes se beneficiam, com um aumento ligeiro na porcentagem de vitórias de 57,4% para 60,7% após inaugurar o placar. A diferença com portões fechados cai para 9,7 pontos percentuais.

Fator torcida ajuda a explicar vitórias de mandantes após abrir o placar no jogo
3 de 7 Fator torcida ajuda a explicar vitórias de mandantes após abrir o placar no jogo

Fator torcida ajuda a explicar vitórias de mandantes após abrir o placar no jogo

Essa diferença também fica escancarada nas vezes em que as equipes sofrem a virada após inaugurarem o placar. Com portões abertos, os mandantes sofreram viradas somente em 5,3% das vezes em que marcaram primeiro, enquanto os visitantes perderam 17,1% das vezes (diferença de 11,8 pontos percentuais).

Já com portões fechados, essa diferença praticamente some: os mandantes perdem em 10,5% das vezes após marcarem primeiro e os visitantes perdem em 12,1% das vezes (diferença de 1,6 ponto percentual).

4 de 7

- Os resultados foram validados estatisticamente mesmo após serem incluídas outras variáveis que possam afetar as chances de uma equipe marcar, como cartões vermelhos e indicadores que tentam medir a qualidade do adversário. Ou seja, sem a pressão das torcidas, o chamado fator casa permaneceu, mas foi bastante atenuado - explicou o economista Bruno Imaizumi.

Bruno Imaizumi analisou como o fator casa pode influenciar no resultado dos jogos no Brasileirão
5 de 7 Bruno Imaizumi analisou como o fator casa pode influenciar no resultado dos jogos no Brasileirão

Bruno Imaizumi analisou como o fator casa pode influenciar no resultado dos jogos no Brasileirão

- Em média, 2,6 gols são marcados por partida e é de se esperar que os primeiros gols ocorram nos primeiros minutos de jogo. Se um gol sai logo no começo, o adversário tem mais tempo de jogo para tentar se recuperar do baque sofrido e isso vale para o caso oposto, quando um time marca pela primeira vez mais para o final da partida - chama a atenção o economista.

Gráfico mostra a frequência em que ocorrem os primeiros gols dos jogos no Brasileirão nos últimos 10 anos
6 de 7 Gráfico mostra a frequência em que ocorrem os primeiros gols dos jogos no Brasileirão nos últimos 10 anos

Gráfico mostra a frequência em que ocorrem os primeiros gols dos jogos no Brasileirão nos últimos 10 anos

Quando as equipes marcam o primeiro gol até os primeiros 15 minutos de jogo, elas acabam vencendo as partidas em 65,3% das vezes e essas chances vão aumentando gradativamente quando os primeiros gols vão sendo marcados mais tarde. Nos últimos 15 minutos de jogo, as equipes que marcam primeiro vencem em 87,4% das vezes . Quanto mais perto do apito final maiores as chances de segurar o resultado positivo até o fim.

7 de 7

A pesquisa também mostra quem são as equipes que mais venceram após marcar o primeiro gol, considerando somente equipes com pelo menos quatro edições (40%) de Brasileirão desde 2013. O Grêmio é a equipe que mais venceu após marcar o primeiro gol (77,7% das vezes), seguido de Palmeiras (77,1%) e Cruzeiro (76,6%). No fim da lista, estão Atlético-GO (58,0%), Chapecoense (59,1%) e Vitória (59,7%).

Equipes que mais venceram após marcar o primeiro gol

Time Marcou o 1º gol Venceu após marcar o 1º gol % em que venceu após marcar o 1º Edições
Grêmio 175 136 77,7% 9
Palmeiras 179 138 77,1% 9
Cruzeiro 111 85 76,6% 7
Santos 181 138 76,2% 10
Flamengo 201 152 75,6% 10
Corinthians 182 135 74,2% 10
Atlético-MG 177 131 74,0% 10
Athletico-PR 161 119 73,9% 10
Sport 109 79 72,5% 7
Ponte Preta 63 44 69,8% 4
Goiás 82 57 69,5% 6
Botafogo 116 80 69,0% 8
São Paulo 190 130 68,4% 10
Fortaleza 55 37 67,3% 4
Internacional 171 115 67,3% 9
Bahia 100 67 67,0% 7
Fluminense 159 106 66,7% 10
Coritiba 89 59 66,3% 7
Avaí 41 27 65,9% 4
Ceará 65 42 64,6% 5
América-MG 48 31 64,6% 4
Vasco 97 62 63,9% 6
Vitória 77 46 59,7% 5
Chapecoense 93 55 59,1% 7
Atlético-GO 50 29 58,0% 4

Por fim, quando olhamos para as equipes que conseguiram reagir e pelo menos empatar após sofrer o primeiro gol, os destaques ficam para as três principais equipes mineiras: enquanto Atlético-MG (44,1%) e Cruzeiro (40,5%) são as que mais reagem após sofrer o primeiro gol, o América-MG é o time que menos conseguiu reverter placares após ser vazado primeiro (18,2% das vezes).

Equipes que menos perderam após levar o primeiro gol

Time Sofreu o 1º gol Não perdeu após sofrer o 1º gol % de vezes em que não perdeu após sofrer o 1º Edições disputadas
Atlético-MG 145 64 44,1% 10
Cruzeiro 126 51 40,5% 7
Corinthians 130 50 38,5% 10
Palmeiras 122 46 37,7% 9
São Paulo 130 46 35,4% 10
Atlético-GO 66 23 34,8% 4
Ceará 76 26 34,2% 5
Flamengo 134 45 33,6% 10
Fluminense 167 54 32,3% 10
Athletico-PR 162 51 31,5% 10
Santos 136 42 30,9% 10
Grêmio 122 37 30,3% 9
Bahia 137 40 29,2% 7
Coritiba 123 35 28,5% 7
Chapecoense 142 40 28,2% 7
Goiás 100 28 28,0% 6
Internacional 108 30 27,8% 9
Vitória 99 27 27,3% 5
Ponte Preta 75 20 26,7% 4
Fortaleza 60 16 26,7% 4
Vasco 110 29 26,4% 6
Botafogo 138 32 23,2% 8
Sport 128 27 21,1% 7
Avaí 74 15 20,3% 4
América-MG 66 12 18,2% 4

*A equipe do Espião Estatístico é formada por: Felipe Tavares, Guilherme Maniaudet, Guilherme Marçal, João Guerra, Leandro Silva, Roberto Maleson e Valmir Storti.

Fonte: Globo Esporte
)