O Flamengo entrou em campo na última quarta-feira e venceu o Vasco por 1 a 0 no Campeonato Carioca, mas sem transmissão do jogo pela televisão. A situação é a mesma da primeira rodada, quando empatou em 0 a 0 com o Macaé, e promete continuar assim de acordo com entrevista do vice-presidente de marketing e comunicação do clube.

Segundo o Gustavo Carvalho de Oliveira, a Globo, detentora dos direitos dos demais clubes, propôs apenas uma manutenção do contrato firmado em 2016, que com a correção da inflação ficaria na casa dos R$ 17 milhões.

“A diferença (de propostas) é grande e não foi nem negociada”, explicou o dirigente em entrevista publicada pelo Blog do Rodrigo Mattos no UOL nesta quinta-feira.

O valor proposto é o mesmo recebido pelos outros três grandes clubes do Rio de Janeiro, que assinaram vínculos mais longos em 2016 e ainda tem contrato com a emissora. O acordo do Flamengo, por outro lado, tinha duração menor e expirou nesta temporada.

“A gente fez uma contraproposta que a gente acha adequada. Não queria falar de números que a gente apresentou. Nós fizemos uma análise de quanto eles pagam pelo Brasileiro, e atualizamos isso. Depois chegamos a um número x lá que eles nem deram uma contraproposta à nossa contraproposta”, declarou Gustavo de Oliveira.

“Eles falaram: ‘Não Gustavo, isso aí não dá, é mais do que a gente estava pensando. A gente está pensando em manter 2016. Essa é a posição da Globo.’ Então, não há uma negociação. Há um comunicado da Globo que quer pagar X, que é o que pagavam em 2016”, explicou o vice rubro-negro.

Flamengo vale mais que os outros grandes?

Perguntado se o Flamengo vale mais que Botafogo , Fluminense e Vasco, Gustavo de Oliveira decidiu não entrar em polêmica.

“É difícil a gente falar que vale mais. O Flamengo vale o que o Flamengo vale. Se outro clube vale mais ou menos, é problema do outro clube. Não queria entrar especificamente em outro clube”, disse o dirigente.

“Não sei se o Campello (presidente do Vasco) gosta do contrato que existe, se o Mário Bittencourt (presidente do Fluminense) gosta, se o presidente do Botafogo (Nelson Mufarrej) gosta. Fato é que eles têm um contrato e têm que manter o contrato como está. O Flamengo não gosta desse contrato e a gente tem uma janela que pode negociar esse contrato ou não ficar com esse contrato”, completou.

Gustavo acredita que o ponto em debate não deve ser o equilíbrio do campeonato, como prega a emissora.

“Não é questão de desequilíbrio. A questão é do que o Flamengo traz de dinheiro para a Globo. Vamos mudar um pouco o conceito. Flamengo traz dinheiro para Globo em audiência e em pay-per-view. E efetivamente traz mais dinheiro para a Globo do que alguns outros clubes A, B, C. Fato é esse. No momento em que você tem 19% do pay-per-view do Brasil e outros têm um pouco menos, ou bem menos, você traz dinheiro para a Globo. E a gente acha justo nós recebermos parte do dinheiro que a gente leva para a Globo”, afirmou.

O vice-presidente de marketing e comunicação garantiu, ainda, que a ausência da receita de televisão do campeonato estadual não será um problema para o clube.

“A gente não botou no nosso orçamento o direito de transmissão do Carioca. Essa administração, se não chegar a um valor que acha razoável, a gente não vai fechar. Está zero lá (no orçamento). Não tenho esse problema”, disse Gustavo.