Bruno Henrique, atacante do Flamengo - AFP

Bruno Henrique, atacante do Flamengo AFP

Rio - A torcedora do Flamengo Josineide Constantino Dantas quer na Justiça uma indenização de R$ 13 milhões do atacante Bruno Henrique. O processo tramita na 1ª Vara Empresarial e Conflitos de Arbitragem de São Paulo e ainda não foi julgado. A informação é do colunista Rogério Gentile.
O problema todo ocorre devido à exploração comercialmente a marca "Otô Patamá", expressão utilizada pelo atacante em novembro de 2019, após uma partida do Flamengo contra o Vasco. Na oportunidade, o atacante disse que a sua equipe estava em "outro patamar" e a frase virou febre e até título de uma música do rapper Djonga.
Na Justiça, a torcedora alega possuir o registro da marca no INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial), sendo assim, apenas ela pode utilizá-la no comércio de roupas e artigos esportivos. Ela explicou na ação que, ao escutar a fala do jogador, considerou que o bordão seria um ótimo nome para uma marca de roupas esportivas, fazendo então o registro.
Em resposta, os advogados de Bruno Henrique apontaram que torcedora atuou de modo "ardiloso" e que "tenta pegar carona" na fama do jogador. "Estamos diante de um caso típico de aproveitamento parasitário", afirmaram. Além disso, o jogador aponta ter feito três pedidos de registro da marca.