Romildo Bolzan, presidente do Grêmio - Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Romildo Bolzan, presidente do Grêmio Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Rio - O Flamengo vencia por 2 a 0 o Grêmio e tinha um mais em campo, mas acabou cedendo o empate em 2 a 2 na última terça-feira (23). O presidente do Tricolor Gaúcho, Romildo Bolzan, não esconde a satisfação com o resultado mesmo jogando em casa, já que seu clube luta para escapar do rebaixamento.
— Foi um resultado histórico e simbólico. Houve reação e indignação dos nossos jogadores. Poderíamos ter até vencido esse jogo — analisou o dirigente em entrevista à Rádio Bandeirantes.
Apesar de estar há três rodadas sem perder, a saga do Grêmio para escapar do rebaixamento não é nada simples. O time ocupa atualmente a 18ª posição, a quatro pontos do Juventude, primeiro time fora da zona de rebaixamento.  O próximo jogo será contra o concorrente direto Bahia, nesta sexta (26), na Fonte Nova, e Romildo acredita que o resultado será crucial para a permanência na elite.
— Dependemos só das nossas forças [para sair do Z4]. Podemos chegar aos 48 pontos, que é o suficiente para escapar do rebaixamento. Acredito que esse jogo é o mais importante do Grêmio no ano — disse o presidente.
Já o Flamengo, que atuou com os reservas na partida contra o Tricolor Gaúcho, embarcou de Porto Alegre para Montevidéu na quarta-feira, dia seguinte ao jogo. Na capital uruguaia, o Rubro-Negro disputa a final da Libertadores neste sábado, às 17h, contra o Palmeiras.