Rio - Punido com 20 dias de suspensão após julgamento em primeira instância no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) por declarações contra a arbitragem do Brasileirão, Bruno Spindel, diretor executivo de futebol do Flamengo, foi absolvido por unanimidade no Pleno do órgão nesta quarta-feira (10).
As reclamações de Spindel aconteceram no empate em 1 a 1 com o Bragantino, no dia 4 de maio, em Bragança Paulista. O jogo foi apitado por Paulo Cesar Zanovelli da Silva (Fifa/MG). O dirigente rubro-negro foi enquadrado no artigo 258 §2º, II do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), que fala em "desrespeitar os membros da equipe de arbitragem, ou reclamar desrespeitosamente contra suas decisões" e prevê pena de 15 a 180 dias.
"A gente está sendo prejudicado jogo a jogo, porque os outros clubes dizem que tem assalto, que tem roubo. O ofício não adianta, porque eles não respeitam desse jeito. Quer respeito, é só chamar para CPI lá em Brasília, expor, dizer que é ladrão, dizer que tem assalto, é só assim que é respeito. Não tem outro jeito de ser respeitado", disse o dirigente, em trecho de entrevista ao Premiere.
Bruno Spindel foi defendido por Michel Asseff Filho, advogado do Flamengo. Em um primeiro momento, a Procuradoria sugeriu reduzir a pena para 15 dias, mas o relator e os auditores do Pleno votaram pela absolvição do diretor executivo.