Jogos do Campeonato Paulista e da Copa Libertadores, clássico entre São Paulo e Palmeiras e agora um Flamengo x Fluminense. O ano de 2016 tem sido muito bom para o Pacaembu. Em três meses, o estádio já recebeu em partidas oficiais a mesma quantidade total de jogos de toda a temporada passa. Neste domingo, com o confronto carioca (às 16h, de Brasília), o local vai superar a marca, com a 12ª partida. 

Dos 11 jogos disputados neste ano, oito foram realizados pelo São Paulo, que escolheu o estádio como casa enquanto não conclui a reforma do gramado no Morumbi. O Santos já jogou duas vezes e o Palmeiras uma - no início do ano, quando o Allianz Parque ainda passava por obras no gramado e não estava liberado.

O São Paulo continuará usando o Pacaembu até o final deste mês. São pelo menos mais dois jogos. A previsão é retornar ao Morumbi em abril - o que dependerá da conclusão da obra de drenagem no estádio. O Santos já sinalizou para a Secretaria Municipal de Esportes, Lazer e Recreação que pretende mandar outras partidas no local, inclusive do Brasileiro, repetindo a estratégia de prestigiar a torcida da capital paulista.

Mas o Pacaembu também contará com o Palmeiras e o Corinthians para 'sobreviver' nesta temporada. O time alviverde confirmou na última semana que fará mais duas partidas no local: Red Bull, dia 24, e Rio Claro, dia 31, ambos duelos pelo Campeonato Paulista. As datas coincidem com shows que serão realizados no Allianz Parque.

O Corinthians, por sua vez, já tem acordado realizar de cinco a sete partidas em agosto deste ano. O time não manda seus compromissos no estádio municipal desde 2014, ano em que inagurou a casa própria. O período reservado neste ano corresponde ao tempo que a equipe cederá a Arena de Itaquera para as partidas de futebol dos Jogos Olímpicos - serão quatro jogos do torneio masculino e seis da disputa feminina, entre 6 e 19 de agosto. 

A diferença do Corinthians para os rivais é que o clube do Parque São Jorge ficará isento de pagar aluguel para a prefeitura. Segundo Celso Jatene, que comanda a Secretaria Municipal de Esportes, a isenção faz parte de um acordo com a prefeitura.

"O Pacaembu não vai cobrar aluguel do Corinthians porque é uma contrapartida oferecida pela Prefeitura, uma vez que o Corinthians cedeu o estádio dele para a Ollimpíada. Ainda assim será importante para o Pacaembu voltar a ter jogos do clube, assim como é importante o Palmeiras, que, por conta dos shows no Allianz, deve usar mais o estádio", disse Jatene, em entrevista por telefone, para a reportagem.

Também não estão descartados eventos, como ocorreu no ano passado. O Pacaembu recebeu jogos da seleção brasileira de rugby e jogos de empresas, que neste caso pagavam para usar o gramado, os vestiários e outras instalações do estádio.

O orçamento aprovado pela Prefeitura para manutenção do estádio é de R$ 9 milhões, independentemente da quantia arrecadada com jogos e eventos. 

No ano passado, o Pacaembu recebeu 11 jogos profissionais, sendo cinco pelo Paulista, dois pelo Campeonato Brasileiro, um pela Copa do Brasil e outro pela Série C nacional. Houve ainda jogos da seleção brasileira feminina, além da final da Copa São Paulo de futebol júnior - algo que ocorre todos os anos. Foram ainda 15 eventos coorporativos.

FUTURO DO PACAEMBU

Paralelamente aos jogos, o futuro do Pacaembu também está em discussão. A Secretária Municipal de Esportes prevê para o final deste mês a convocação de duas audiências públicas para definir o processo de concessão do estádio.

Há dois projetos para serem discutidos. Um deles é da Fundação Casa Azul e o outro é de um consórcio formado pelas empresas Fernandes Arquitetos, SBP do Brasil e Projetos-Empresa Brasileira de Engenharia de Infraestrutura.

O projeto do consórcio formado pelas empresas Arena Estádios-AGR Projetos-Castello Branco, Lobosco e Gama Advogados foi rejeitado no início deste ano por não se adequar ao desejado pela pasta.

Para convocar as audiências públicas, a Secretária aguarda autorização formal do Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico), o que deve acontecer na próxima semana. A pasta já tem autorização do Conpresp (Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo). Ambos os órgãos cuidam da preservação de imóveis tombados no Estado de São Paulo.

Somente com a autorização do segundo órgão é que as audiências serão convocadas via "Diário Oficial". A ideia da Secretária é realizar uma delas no Pacaembu e a outra na Câmara Municipal de São Paulo, em abril - mês de aniversário do estádio.

Além do projeto de modernização do estádio, será discutido e aprovado também um plano de negócio para administração do local. Quem assumir cuidará do Pacaembu pelas próximas duas décadas.