Gabigol - Marcelo Cortes / Flamengo

Gabigol Marcelo Cortes / Flamengo

Rio - Além de buscar seu segundo título da Libertadores, Gabigol tem no próximo sábado (27) a chance de fazer atingir mais uma marca individual importante com a camisa do Flamengo. Se balançar a rede uma vez na decisão contra o Palmeiras, o atacante igualará Evaristo e Alfredinho na lista de maiores artilheiros da história do clube, com 103 gols.
O camisa 9 ocupa atualmente a 19ª colocação do ranking, com 102 gols, mais que outros ídolos como Nunes (99) e Adriano (46). No século XXI, no entanto, ele está isolado na primeira posição, seguido de muito longe por Bruno Henrique (76), seu parceiro em todas as conquistas no clube da Gávea: três Cariocas. dois Brasileiros, duas Supercopas do Brasil, uma Recopa e, por enquanto, uma Libertadores.
Preste a ser alcançado, Evaristo levou 182 jogos para chegar aos 103 gols, conquistando quatro Cariocas e uma Taça dos Campeões Rio São-Paulo na década de 50. Já Alfredinho teve a impressionante média de 0,97 gol por jogo, precisando de apenas 106 partidas para atingir a marca na década de 30 e levantar quatro taças:  Torneio Aberto do Rio de Janeiro Torneio Extra do Rio de Janeiro, Taça João Vianna e Taça da Paz. Gabigol disputará neste sábado seu 145º jogo pelo Flamengo.
O caminho de Gabriel Barbosa ao topo da lista de goleadores da história do Rubro-Negro ainda é muito longo. A liderança é do quase inalcançável Zico, maior ídolo da história do clube, com 506 tentos. Entre os "humanos", Dida é o cara a ser batido, com 264 gols e na segunda posição, seguido por Hernique (216), Pirillo (204) e Romário (204).
Embora a distância seja grande, fazer história no Flamengo é algo com o qual Gabigol já está acostumado. Além dos títulos coletivos pelo Mais Querido, os prêmios individuais são muitos, como uma artilharia do Brasileiro, uma do Carioca e uma da Libertadores  — só por enquanto, já que lidera a lista da atual edição.  Além disso, já foi eleito melhor jogador do Brasileirão e da América, ambos em 2019.