O corpo de Samuel Thomas de Souza Rosa, um dos mortos no incêndio que atingiu o CT Ninho do Urubu, foi enterrado na tarde desta segunda-feira no Cemitério de Vila Rosali, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense.

Dezenas de pessoas foram se despedir do garoto de 15 anos, o último a ser identificado após a tragédia que tirou a vida de 10 atletas das categorias de base do Flamengo na última sexta-feira.

O calor excessivo, aliás, fez a mãe de Samuel, Cristina, desmaiar e precisar de atendimento médico durante a cerimônia. A situação gerou revolta em parentes do garoto, que acusaram o Flamengo de não ajudar em nada.

"Quando a mãe do Samuel passa mal nós temos que levá-la ao hospital público porque o Flamengo não nos dá nenhuma assistência. O clube se disponibilizou a fazer o enterro, mas suporte psicólogo e tratamento ainda não mandaram", afirmou Sebastião Rodrigues, tio do atleta, que continuou: "Não nos permitiram ver o corpo dele, nem sabemos se é mesmo ele que está ali".

Além de familiares, outros atletas das categorias de base do clube também compareceram à cerimônia, assim como membros de torcida organizada, que entoaram cânticos de arquibancada e fizeram um minuto de silêncio em homenagem ao jogador.

Outro que também marcou presença foi Cristiano Esmério, pai de Christian, de quem Samuel era muito amigo e que também morreu no incêndio de sexta-feira.