Rio - O Flamengo vai ter um estádio próprio. Em entrevista à Rádio CBN, neste domingo (31), o presidente Rodolfo Landim garantiu que a construção da arena no terreno do Gasômetro, na região central do Rio de Janeiro, vai acontecer "com ou sem SAF". O mandatário revelou que a diretoria está avaliando a melhor forma de avançar com o projeto.
"O estádio sai com ou sem SAF. A discussão que a gente vai ter é: qual a forma de fazer isso mantendo o controle da associação desportiva sobre o futebol? Não existe a menor razão para, qualquer que seja o projeto, que o Clube de Regatas do Flamengo com seus sócios não venha a ser o controlador do seu futebol", disse Rodolfo Landim.
"As pessoas imaginam uma SAF do Botafogo ou Vasco. Isso não existe. O que existe é um modelo que a gente já foi estudar, e teria que ser discutido com os sócios do Flamengo se eles entenderem que esse é o caminho: o modelo do Bayern de Munique, que vendeu 25% do clube. Através desse mecanismo conseguiu recurso para construir um estádio", completou.
Landim fez críticas ao modelo adotado pelo Palmeiras para a construção do Allianz Parque, em parceria com a WTorre. A empresa é a parceira do Vasco na disputa pela licitação do Maracanã e também tem projeto para reformar a Vila Belmiro junto com o Santos. O presidente do Flamengo, no entanto, acredita que o Rubro-Negro pode seguir um caminho diferente.
"As pessoas me perguntam muito o seguinte: mas por que não fazer uma sociedade de propósito específico para o estádio? A resposta que dou é: esse o modelo que o Palmeiras fez, e a gente vê o que está acontecendo lá. No dia seguinte, o cara que é o teu sócio já está brigando com você porque vai querer aumentar a receita do estádio, diminuindo a receita do clube. Esse modelo acho ruim", explicou.
Landim explicou a escolha pelo terreno do Gasômetro para a construção do estádio próprio do Flamengo. Para o presidente, o terreno na região central do Rio de Janeiro é perfeito em termos de mobilidade e fez uma comparação com o próprio Maracanã. Além disso, ele ressaltou que uma arena pode melhorar a região, que recentemente ganhou um novo terminal ao lado da rodoviária.
"O desafio do estádio é ter acesso a um bom terreno. É fundamental ter um local onde tenha mobilidade da população para chegar. Com a construção do Terminal Gentileza em frente, fica com terminal de BRT, de VLT, uma rodoviária em frente e, mesmo para quem vai de trem ou metrô, fica uma distância de 1 km e pouco da estação Cidade Nova. Ou seja, para local de transporte de massa, é perfeito para se colocar um estádio", afirmou.
Por fim, Landim explicou o motivo de disputar a licitação do Maracanã mesmo com o projeto da construção do estádio próprio do Flamengo perto de sair do papel.
"Mesmo que a gente tenha acesso a esse terreno, se nós formos cuidar de todo trabalho de licenciamento, das discussões que teremos que ter junto à prefeitura com relação à mobilidade das pessoas, às diversas aprovações que teremos, e o tempo de construção de um estádio como esse, é um projeto para cinco anos pelo menos. O Flamengo está no processo de licitação do Maracanã por 20 anos, mas você não tem uma solução de curto prazo diferente do Maracanã", finalizou.