Rio - A permanência de Gabigol no Flamengo virou uma incógnita após a suspensão de dois anos por tentativa de fraude do exame antidoping . Em entrevista à Rádio CBN, o presidente Rodolfo Landim confirmou que as conversas sobre a renovação foram adiadas para o fim do ano, quando termina o contrato do camisa 10 com o clube, e que o foco agora é no efeito suspensivo.
"O contrato do Gabriel termina dia 31 de dezembro, e a partir do dia 1º de junho ele tem liberdade de assinar com qualquer outro clube. O Flamengo historicamente já demonstrou em diversas oportunidade que ele leva o contrato dos jogadores até o fim e renova no final. Fizemos isso com Diego Ribas, Diego Alves, Filipe Luís, Bruno Henrique, e eles renovaram com o Flamengo", disse.
"Aconteceu, por exemplo, que o Everton Ribeiro a gente fez uma proposta e ele recebeu uma oferta melhor no mercado. Não conseguimos igualar essa proposta e desejamos sorte para ele. A gente vai fazer uma proposta e ele vai ter essa oportunidade para ele decidir. Então não dá para a falar unilateralmente se a gente conta com ele ou não. Certamente vamos querer contar, mas pode ser que ele tenha oportunidades outras melhores do que jogar no Flamengo. Vai estar na mão dele decidir isso", completou.
Após meses de conversas, o Flamengo chegou a alinhar um acordo para renovar com Gabigol até o fim de 2028, mas recuou. Apesar de preocupado com a suspensão, Rodolfo Landim mostra confiança num final feliz. O presidente rubro-negro acredita que é possível reverter a pena do jogador, já que o resultado do exame de urina e de sangue deram negativos.
"É claro que ele preocupa, é um jogador importante, foi muito importante na história do Flamengo, e a gente conta ainda com ele para esse ano. Nós continuamos confiantes na reversão dessa decisão na Suíça, mas temos que nos preparar. Fizemos agora um movimento recente que já ficou público exatamente para cobrir uma eventual lacuna de ficar sem ele durante alguns jogos. A gente não controla o tempo necessário para que ele possa ser novamente julgado", afirmou.

Entenda o caso

Gabigol é acusado de dificultar a realização de um exame antidoping surpresa no dia 8 de abril de 2023, no Ninho do Urubu. Segundo os agentes, ele se mostrou contrariado desde a chegada da equipe antidopagem ao local, por volta de 8h40.
Os responsáveis pelo exame alegam que Gabigol não se dirigiu a eles antes do treino do Flamengo e os ignorou também após a atividade, indo direto almoçar. Eles também afirmam que foram tratados com desrespeito pelo camisa 10, que se irritou em vários momentos.
À exceção de Gabigol, os outros atletas do Flamengo fizeram o exame antes do treino das 10h, o que é recomendável. Além disso, o atacante cometeu outras irregularidades, como ter ido ao banheiro na hora do exame sem a presença de um dos fiscais, além de ter entregue o pote sem a tampa.
Na defesa do jogador, enviada ao Tribunal no dia 28 de janeiro, o Flamengo anexou imagens de câmeras de segurança do Ninho do Urubu para reforçar a versão do atleta, que nega qualquer tentativa de fraude ao exame antidoping. Um dos pontos alegados pelos advogados é que o atacante realizou exame de sangue, que é considerado mais efetivo.
O Flamengo ainda alega que a decisão de Gabigol só realizar o exame depois do treino foi por orientação do departamento médico, porque ele já fazia atividade física no momento em que os agentes chegaram para realizar o exame, o que inviabilizaria a coleta de urina.