Logo Netfla

Joel Santana exalta Romário: "Não sei se vou ter vida para ver coisa parecida"

 



Nesta sexta-feira, dia 29 de janeiro de 2016, Romário faz 50 anos de idade. A data foi lembrada no Redação SporTV, que contou com a presença de uma pessoa fundamental na carreira do ex-jogador: o técnico Joel Santana. A dupla esteve junta no Vasco, no Flamengo e no Fluminense, tempo suficiente para criarem um vínculo que se mantém até hoje. No programa, Joel ressaltou a importância de outros centroavantes, mas disse que nunca viu nada parecido com o que Romário fazia em campo (assista ao vídeo).

- Além de trabalhar com Romário várias vezes, via os treinamentos e a facilidade, a clareza, a técnica (dele). Não querendo diminuir ninguém, Ronaldo foi um monstro, Careca outro, mas era uma coisa incrível a facilidade que ele tinha de bater na bola, não sei se vou ter vida para ver coisa parecida. Conheci muitos centroavantes bons, goleadores, mas igual ao Baixinho... É aquela velha frase: “quem viu, viu, quem não viu só pode imaginar”. Ele é diferenciado.

Joel Santana, técnico; Redação SporTV (Foto: Reprodução SporTV)Joel Santana relembrou a convivência com Romário (Foto: Reprodução SporTV)

Acostumado com Romário, Joel Santana admitiu que sua principal dificuldade no trato com o Baixinho era na hora do treino físico. Sempre que podia, o ex-jogador tentava escapar. Os trabalhos na praia também não eram bem aceitos por Romário.

- Nós nunca tivemos problemas, mas ele detestava fazer um trabalho físico, era melhor dar um trabalho com bola, uma finalização, mas negócio de preparação física o Baixinho arrumava alguma coisa. Vinha com aquele tatibitate, eu também sou meio tatibitate, e aí nós conversávamos, "vamos lá cara..." (...). Ele odiava correr na praia, mas isso era verdade. Aquele piso duro o incomodava e dava muitas dores nas costas. Ele odiava correr naquela areia. Os treinamentos naquela época eram meio absurdos (...). Outra coisa que ele não gostava era quando apitava os dois toques, porque eu roubava o time dele, e roubava mesmo.

Joel ainda relembrou a ocasião em que Romário foi parado em campo por um zagueiro já em fim de carreira, mas que atendia pelo nome de Luís Pereira, ídolo do Palmeiras e que à época defendia o Corinthians. Antes do jogo, o Baixinho prometeu algo que não conseguiu cumprir. E Joel não perdoou.

- Na única vez que vi ele quebrar a cara, íamos jogar com o Corinthians, ele ia pegar o Luís Pereira já no final de carreira. "Vou pegar o Luís Pereira, o que vou fazer com ele vai dar pena, ele vai tentar me segurar e vou me escorregar. Você acha que vou perder para o Luís Pereira?". Olha, ele não pegou na bola, o Luís Pereira marcou ele de tal maneira, quase andando dentro de campo. Acabou o jogo e não perdi a oportunidade: "E aí, o que houve hoje?". "O cara foi fogo hoje...". Mas o Baixinho era infernal. Tive a oportunidade de ver treinamentos, jogos, ele começando, era muito rápido, mudava muito de direção, uma técnica... Não dava mais de dois toques na bola, mas com uma precisão que você achava que aquilo não era possível. Uma impulsão muito grande, velocidade, uma rapidez quando caía pelo lado esquerdo.

romario 1994 (Foto: Cezar Loureiro/Globo)Romário foi eleito o melhor jogador do mundo em 1994 (Foto: Cezar Loureiro/Globo)

Fonte: Globo Esporte

Comentários

Jogos

Próximo jogo 3 dias, 2 horas a partir de agora
Brasileirão - Série A
FlamengoFlamengo
X
FluminenseFluminense
Dom 20/10 / Maracanã / 16h00
Brasileirão - Série A
FortalezaFortaleza
- x -
FlamengoFlamengo
Últimas
+ Lidas da semana