Logo Netfla

Flamengo avança por indenização com 15 famílias e ganha aliados em espera por liberação do Ninho

Presidente Rodolfo Landim esteve presente — Foto: André Durão

Presidente Rodolfo Landim esteve presente — Foto: André Durão

Otimismo pela definição de mais 15 indenizações e apreensão pela reabertura do Ninho do Urubu. O Flamengo reiniciou as atividades das categorias de base nesta semana, e a proximidade das famílias dos sobreviventes da tragédia de 8 de fevereiro serviu também para encaminhar acordos judiciais. Mais do que isso, o grupo se tornou uma espécie de aliado do clube pela reabertura do CT.

Com o impedimento da utilização das instalações para crianças e adolescentes, os garotos estão sem alojamento e o clube disponibilizou um hotel no Recreio dos Bandeirantes por uma semana. Caso o Ninho não seja liberado neste período, quem não tem residência no Rio de Janeiro será liberado para voltar para suas cidades de origem.

A situação tem causado apreensão nos atletas e familiares, uma vez que a continuidade no Rubro-Negro estará em risco. Internamente, porém, há otimismo quanto a solução dos problemas no CT no prazo determinado.

Pai reclama do MP e diz que corre risco de perder emprego

Francisco, pai do goleiro Francisco Dyogo, disse que o Ministério Público ordenou a presença de ao menos um responsável legal de cada atleta no Rio de Janeiro, o que tem gerado problemas para as famílias. Principalmente por causa da impossibilidade de prever quando os jogadores poderão ficar alojados no Ninho.

- No meu caso, que venho de Fortaleza, está muito difícil. Não posso interromper o sonho do meu filho, e não tenho quem fique com ele no Rio. O MP só permite pai, mãe, avô ou avó. Eu e minha mulher trabalhamos. Se isso continuar, vou perder meu emprego para ficar com ele aqui. O que está mais complicado é que não temos previsão. Pode durar uma semana, um mês, seis meses... Estou muito apreensivo - desabafou Francisco em contato com o GloboEsporte.com.

Francisco, pai do goleiro Francisco Dyogo fez coro pela liberação do Ninho — Foto: Thayuan Leiras

Francisco, pai do goleiro Francisco Dyogo fez coro pela liberação do Ninho — Foto: Thayuan Leiras

Na apresentação feita para as famílias na segunda-feira, os parentes ficaram com boa impressão da estrutura que será disponibilizada para a base - até o ano passado utilizada pelos profissionais.

- Nós tivemos uma palestra em que o Flamengo nos mostrou toda a nova estrutura. Pelas imagens, é muito bonito. Um hotel de quatro, cinco estrelas. Não vejo problemas de irem ficar alojados lá - disse Francisco.

Caso a proibição de alojamento no Ninho continue por mais tempo, entre os pais já existe a sensação de que alguns atletas vão acabar optando por buscar outro clube, principalmente os que são de fora do Rio.

- Algumas famílias comentaram sobre isso. No caso do meu filho, já houve proposta do Ceará, na nossa cidade. Mas esses meninos são apaixonados pelo Flamengo, querem realizar o sonho pelo Flamengo. Além disso, pretendem honrar os amigos deles. Para que meu filho consiga, vou ter que abrir mão do meu emprego - afirmou o pai de Francisco Dyogo.

Situação das indenizações:

  • 1 acordo definido sobre vítima fatal
  • 13 acordos encaminhados sobre sobreviventes sem ferimentos
    2 acordos encaminhados sobre sobreviventes feridos
  • 9 negociações em andamento com famílias de vítimas fatais
  • 1 sobrevivente ainda internado (foco está na recuperação plena de Jhonata antes de negociação)

Há expectativa a respeito do parecer do Juizado da Infância, da Juventude e do Idoso. O clube acredita que com o Alvará de Funcionamento e o Habite-se em mãos, o CT estará liberado para utilização sem restrições. Mas além da interdição total precisa revogar a proibição da presença de menores de 18 anos.

O bom relacionamento permitiu ainda que o Flamengo avançasse consideravelmente nos acordos com os envolvidos na tragédia. Ao todo, foram 13 jovens que escaparam sem ferimentos do incêndio. As negociações com o grupo são individuais, mas similares e a solução das indenizações depende de questões burocráticas para colocar no papel.

O mesmo vale para as situações de Cauan e Francisco Dyogo. Vítimas que precisaram de atendimento médico e internação após o incêndio, os dois já se reapresentaram e também estão próximos de um acordo indenizatório. Com isso, o Flamengo resolve 15 dos 26 casos a serem discutidos.

Além dos 15 já citados, o clube já entrou em acordo com uma das dez famílias que tiveram vítimas fatais naquela madrugada de sexta-feira. O nome da vítima, por sua vez, é mantido em sigilo por questões de segurança.

Pai do ex-goleiro Bernardo, Darlei Pisetta tem mantido conversas com o clube — Foto: Divulgação

Pai do ex-goleiro Bernardo, Darlei Pisetta tem mantido conversas com o clube — Foto: Divulgação

Nesta terça, representantes de Victor Izaias e Bernardo Pisetta se encontraram com o diretor jurídico do Flamengo, Bernardo Accioly, no Rio de Janeiro. No encontro, solicitaram novos valores – menores do que os R$ 2 milhões estipulados pelo Ministério Público -, mas o clube não topou. De qualquer forma, as partes deixaram a reunião otimistas. Para o advogado Thiago d’Ivanenko, houve avanço. Os familiares de retornaram a Santa Catarina, mas as tratativas seguem.

Com isso, sobrariam sete vítimas fatais, além de Jhonata Ventura. A situação do zagueiro, entretanto, é tratada sem pressa, uma vez que a prioridade é a recuperação das queimaduras nas mãos e no antebraço. O jovem é o único que segue internado. Nas redes sociais, o garoto manifestou também nesta terça o desejo de seguir no clube e garantiu que voltará a jogar futebol.

Com o relacionamento com as famílias evoluindo bem, o Flamengo corre para regularizar o Ninho do Urubu e evitar novos problemas no futuro.

Fonte: Globo Esporte

Comentários

Jogos

Próximo jogo 17 horas a partir de agora
Brasileirão - Série A
FlamengoFlamengo
X
VascoVasco
Qua 13/11 / Maracanã / 21h30
Brasileirão - Série A
FlamengoFlamengo
3 x 1
BahiaBahia
Últimas
+ Lidas da semana