Estádio próprio: Flamengo reagenda reunião com prefeito e tem plano B para terreno

A reunião entre o presidente Rodolfo Landim e o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, que aconteceria na quinta-feira, foi adiada para este fim de semana. O tema é o desejo do Flamengo de construir seu estádio próprio, e o clube estuda um terreno alternativo ao do Parque Olímpico.

Estrutura do Parque Olímpico durante os Jogos do Rio — Foto: Gabriel Heusi/Brasil2016.gov.br
1 de 4 Estrutura do Parque Olímpico durante os Jogos do Rio — Foto: Gabriel Heusi/Brasil2016.gov.br

Estrutura do Parque Olímpico durante os Jogos do Rio — Foto: Gabriel Heusi/Brasil2016.gov.br

O plano B é o local onde funcionava o antigo parque temático Terra Encantada, também na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. O local, que é de uma empresa do ramo imobiliário, já entrou em pauta no clube antes mesmo da gestão Landim, mas o projeto não foi à frente por causa do alto valor.

Atual gestor do Maracanã junto com Fluminense, o Flamengo ficou muito contrariado com o episódio da marcação do jogo do Vasco contra o Sport para o estádio sem a aprovação rubro-negra. O caso ligou o alerta sobre os problemas políticos relacionados ao estádio e aumentou o desejo no clube de ter uma casa própria.

O Flamengo considera que a área do Parque Olímpico seria mais interessante para construir um estádio com capacidade "nível Maracanã", mas o local também tem obstáculos complexos a serem superados.

Terreno onde ficava o parque Terra Encantada é plano B para o estádio do Flamengo — Foto: Google Earth
2 de 4 Terreno onde ficava o parque Terra Encantada é plano B para o estádio do Flamengo — Foto: Google Earth

Terreno onde ficava o parque Terra Encantada é plano B para o estádio do Flamengo — Foto: Google Earth

A começar pelo cenário de ter três donos : a Prefeitura do Rio, o Governo Federal e o consórcio formado pelas construtoras Odebrecht, Andrade Gutierrez e Carvalho Hosken, que venceu concorrência da parceria público-privada (PPP) organizada para construir o local para as Olimpíadas de 2016.

Basicamente, o consórcio ficou como dono do terreno. O governo federal tem as Arenas 1, 2, do tênis e do Velódromo. A Arena 3 é da prefeitura, e lá são realizadas atividades esportivas diversas, como ginástica, musculação e vôlei. O local será transformado no Ginásio Experimental Olímpico (GEO), e a ideia é que o velódromo passe a receber as atividades que hoje são feitas na Arena 3.

A Arena do Futuro, que recebeu os jogos de handebol nas Olimpíadas, já começou a ser demolida. A estrutura vai virar escolas, como parte do legado para a cidade.

Além da questão financeira e de um entendimento com o consórcio dono do terreno, há muitos aspectos que precisam ser analisados, como a possibilidade ou não de o estádio ser construído sem a demolição de alguma instalação, por exemplo. E, caso seja necessário, qual a chance de autorização para tal?

Existem também outras questões importantes, como o acesso do público, estacionamento, impacto na região por causa do trânsito... Temas que entrariam em pauta nas conversas com a prefeitura.

O terreno do Parque Olímpico, que já teve projeto de estádio de pessoas ligadas ao Fluminense , tem no total 1,18 milhão de metros quadrados. Além das arenas, o complexo abrigou o Centro Internacional de Transmissão dos Jogos (IBC), o Centro Principal de Mídia (MPC) e a Vila Olímpica. Esses equipamentos se juntaram ao Parque Aquático Maria Lenk e à Arena Rio, que ficam próximos.

A prefeitura é atualmente responsável pela manutenção do Parque Olímpico, mas está em curso a ideia de que seja terceirizada.

 — Foto: Reprodução
3 de 4 — Foto: Reprodução

— Foto: Reprodução

Assista: tudo sobre o Flamengo no ge, na Globo e no sportv

4 de 4

Fonte: Globo Esporte
)