Rio - Acusado de agredir e ameaçar um empresário em um quiosque da Barra da Tijuca, no último domingo (10) , o lateral-direito Wesley, do Flamengo, alega que foi provocado pela suposta vítima. Segundo informações do jornalista Venê Casagrande, a estratégia da defesa será provar que o atleta e seus amigos foram incomodados pelo homem durante todo momento que estiveram no local com deboches e gritos
De acordo com a defesa, em determinado momento, o empresário chegou a proferir a seguinte frase para Wesley: "vai embora! Você vai acabar parando no Bangu" , afirmando que o lateral terá um declínio na carreira.
Os advogados de Wesley já têm em mãos imagens da câmera de segurança do local e irão utilizá-las para tentar provar que houve provocações. Além disso, eles contam com depoimentos de testemunhas, inclusive do dono do quiosque.
De acordo com uma pessoa que testemunhou o ocorrido, Wesley, de fato, agrediu o empresário. Porém, tudo aconteceu quando ele se levantou para buscar o lanche que havia pedido e o homem veio em sua direção, gritando e fazendo ameaças. O jogador estava acompanhado de cinco amigos e, segundo outra testemunha, foi importunado durante todo tempo que esteve no local.
Entenda o caso
Wesley, do Flamengo, foi acusado de agredir e ameaçar um homem em um quiosque na praia da Barra da Tijuca , na Zona Oeste do Rio de Janeiro, na noite do último domingo (10). Kaio Mana afirma ter recebido um soco no rosto após discussão e registrou boletim de ocorrência na 16ª delegacia, também na Barra da Tijuca.
No depoimento, o empresário relatou que a discussão com Wesley teve início após o jogador o acusar de tirar uma foto ao lado de um amigo sem autorização . Kaio, que também estava acompanhado, alegou não ter registrado qualquer imagem do atleta rubro-negro.
Em seguida, de acordo com o relato, Kaio foi para sua mesa e foi surpreendido com um soco no rosto enquanto comia um lanche do quiosque. Ele mostrou uma marca no olho e um corte na boca, e foi ao Instituto Médico Legal para fazer exame de corpo de delito após o depoimento.
As câmeras de segurança do quiosque devem ser utilizadas na investigação, e Wesley será intimado a depor. O lateral, de 20 anos, ainda não se manifestou, e o Flamengo informou que o caso está sob o comando do vice-presidente de futebol Marcos Braz.