Rogério Ceni - Daniel Castelo Branco

Rogério Ceni Daniel Castelo Branco

Rio - A postura do técnico Rogério Ceni na derrota do Flamengo para o Bragantino, por 3 a 2, na noite do último sábado, no Maracanã, chamou atenção. Com até cinco substituições para fazer, o treinador mudou apenas uma vez na equipe. Após a partida, ele justificou sua opção citando os desfalques do Rubro-Negro.
"É natural que eles sintam cansaço já no fim do jogo. Eu queria ganhar o jogo. Defensivamente eu tinha várias substituições para fazer, mas nesse momento onde todos os times – não só o Flamengo – tem jogadores importantes na seleção brasileira, nós tínhamos três garotos no banco. O Muniz estava bem no jogo, com confiança, achei que não era o momento de colocar o Ryan. O Michael, que já vinha de dois jogos seguidos jogando o jogo todo, tentamos colocar o Maxi para dar amplitude naquele lado e o Werton praticamente ainda não teve muitos minutos no profissional", declarou Ceni.
"Era um risco muito grande fazer essas alterações. Ou fazia alterações defensivas. Tentamos com o Maxi sabendo que todos já estavam um pouquinho desgastados, mas acho que era o melhor time para manter em campo no momento", completou.
O Flamengo volta a campo na próxima quarta-feira, às 19h, contra o Fortaleza, no Maracanã.